top of page
  • Foto do escritordagopaulor

Explorando a riqueza cultural do Nordeste: De Salvador aos encantos do litoral

Ouça o texto, nesse áudio:




 

A saída de Salvador foi turbulenta devido ao fato de já ter organizado minha estadia em outro lugar e, de repente, receber um convite para visitar uma cidade também conhecida como "O Brasil que deu certo". Sim, mais uma cidade com a minha marca registrada, e vocês sabem o motivo: é uma cidade super segura e incrível.



Tive que cancelar meus planos anteriores e fazer novos. Antes de prosseguirmos, vamos falar um pouco sobre Salvador. Conheci um lugar chamado A Borracharia, meu Deus, que lugar sensacional! Para mim, Salvador é uma cidade que representa um Brasil dentro do Brasil. Como isso é possível? As pessoas aqui pensam, falam e vivem de maneira diferente. A culinária, as bebidas, as orações, as danças e muito mais são uma explosão de cultura. Foi incrível conhecer o terreiro, um pagode diferente de tudo que eu já tinha visto. Achei o máximo.


Na boate que mencionei, posso dizer que 95% das músicas eram desconhecidas para mim, e apenas 5% eu reconhecia. Foi uma verdadeira imersão cultural. E isso é maravilhoso para mim, pois sou apaixonado por música. As pessoas que estavam lá não eram apenas jovens; tenho certeza de que havia pessoas de várias idades, inclusive acima de 60 anos. Todos aproveitando a mesma energia, foi incrível. E como adoro explorar lugares novos, fiquei até a última gota, até às 5 horas da manhã. Em seguida, fui caminhar pela orla e apreciar o nascer do sol. Aquele momento foi único. Encerrando minha estadia em Salvador com chave de ouro, posso dizer que é uma cidade especial. Foi uma ótima escolha começar por lá, foi incrível!


No último dia, tirei uma foto do pôr do sol em Salvador. Era lindo, maravilhoso e sensacional. Tudo estava limpo - sem nuvens, aquela bola de fogo era deslumbrante. Porém, quando fui editar a foto, percebi que ainda apareciam algumas marcas. Fiquei pensativo novamente, um pouco desanimado, percebendo que a câmera ainda estava com problemas. Mas só percebi isso quando já estava fora da cidade de Salvador. Mas eu pensei, vamos resolver isso de qualquer jeito, então mantive a calma, pois acreditei que daria certo.


No caminho para a casa onde eu ficaria hospedado, enfrentei um obstáculo: uma árvore caída no meio da estrada, impedindo o trânsito.


Então, segui para a cidade de Praia do Forte. Meu Deus, que lugar sensacional, lindo! É uma cidade feita para turistas, repleta de glamour, lojas encantadoras e condomínios fechados. Parece uma cidade de interior para pessoas ricas.


E, é claro, segurança em primeiro lugar. Tive a tranquilidade de explorar a cidade com minhas câmeras sem preocupações. Conheci também o projeto TAMAR, que cuida de tartarugas e outros animais marinhos. O trabalho deles é sensacional. Tive uma experiência marcante para a vida toda, pois tive a oportunidade de tocar em um tubarão-lixa. Cara, foi incrível e único. São momentos como esse que me fazem dizer que tudo vale a pena.


Após passar quase uma semana nessa cidade encantadora, tive a oportunidade de conhecer alguns trabalhadores locais. Ter contato com pessoas em cidades assim é muito importante para mim, pois me proporciona uma visão de como eles vivem e sobrevivem, o que é essencial quando visito esses lugares.


Aluguei uma bicicleta por um preço incrível para uma semana. Lá, cobram R$50 por dia. Meu Deus, que absurdo! Mas consegui por R$150 para a semana toda, risos. Também ajudei a mulher com quem estava hospedado, mesmo sendo alguém que mal conhecia. No entanto, construímos uma boa amizade e ela confiou em mim para ir até a casa dela, mesmo sem nos conhecermos bem. Ela não é brasileira, é do Chile e está morando aqui. Em troca, fiz algumas tarefas para ela em sua casa: preparei o café da manhã, almoço, lanches e jantar. Foi uma experiência sensacional. Também a ajudei em seu jardim e mostrei a ela que era possível fazer compostagem com o lixo que ela costumava levar para jogar fora, caminhando cerca de 3 km. Eu disse a ela: "Mulher, faça um buraco e jogue todo o material orgânico no seu quintal". Começamos assim um bom trabalho e deixei essa ideia com ela, o que foi sensacional.


Foi maravilhoso passar esse tempo lá. Também conheci um castelo, que show! Mas tudo tem um prazo, e eu já estava me organizando para partir e seguir subindo o nordeste, conforme o projeto inicial. No entanto, nem tudo seguiu conforme o plano.


Tinha tudo planejado com o BlaBlaCar para a minha carona, mas no último dia a pessoa não apareceu. Que chato, isso. Eu tinha combinado com a mulher na casa em que eu estava hospedado para que ela levasse minha câmera para Salvador, e depois eu daria um jeito de o cara enviá-la para onde eu estivesse. Mas algo deu errado e me fez voltar para Salvador. Meu Deus, que correria.


Tive que pegar um transporte até a rodoviária e consegui o último ônibus, que saía à 1h da manhã. Assim que cheguei, às 10 horas da manhã, comprei minha passagem e fui direto para o local onde deixaria minha bagagem e a câmera. Na rodoviária, estavam cobrando um valor exorbitante, não lembro exatamente quanto, algo em torno de R$40 por item. Pensei: "Vou comprar minha passagem e dar uma volta por aí". O atendente simplesmente disse: "Deixa aqui então, não vou cobrar nada de você". Meu Deus, isso foi um anjo na minha vida.


Saí da rodoviária e lá estava eu, de volta a Salvador. Porém, não como um turista inexperiente, já sabia como lidar com as coisas. Em pouco tempo, cheguei ao fotógrafo e mais uma vez entreguei minha câmera, meu tesouro. Até hoje, estou aguardando para ver o que vai acontecer.


Voltei para a rodoviária, relembrando tudo o que vivi naquela cidade e sentindo-me feliz, muito feliz por ter tido essa oportunidade. O ônibus que eu pegaria era muito confortável, então a viagem de 11 horas seria tranquila. Ainda teria que pegar mais 2 horas de carro para chegar à próxima cidade, a grandiosa Maragogi, em Alagoas. Essa cidade estava distante de onde eu estava, risos.


O fato de a pessoa ter me dado carona não foi de graça; ela cobrou por isso, então estava tudo certo. Tive um atraso de 24h, e a estadia que era para ser uma viagem rápida demorou 48h, mas o importante é que deu tudo certo no final.


Como a viagem era muito longa, ao chegar em Salvador, lembrei-me de uma dica que uma colega me deu há muito tempo: quando não conseguia tomar banho, ela comprava um lenço umedecido para ajudar na higiene pessoal. Meu DEUS, isso foi muito bom! Com uma viagem de 48h e sem a possibilidade de tomar um banho decente, tomei o meu primeiro banho com o lenço umedecido, sim, isso mesmo, um banho de gato, e sim, é muito bom quando você não tem condições de tomar um banho completo. E eu realmente não tinha. Além disso, o lenço umedecido serve para várias coisas, então é realmente uma ferramenta muito importante para um viajante. Obrigado pela dica.


Chegando à próxima cidade, muitas coisas aconteceram. Continua...

3 visualizações0 comentário

Comentarios

Obtuvo 0 de 5 estrellas.
Aún no hay calificaciones

Agrega una calificación
bottom of page