top of page
  • Foto do escritordagopaulor

Barulhos do Dia a Dia que nos Deixam Nervosos

Ouça o texto, nesse áudio:



 

Após um período na estrada, observamos o quanto as pessoas são diferentes e lidam com a mesma coisa de forma fora do padrão.



Vou explicar melhor. Vou contar uma história para a compreensão ficar melhor. Certo dia, eu estava em uma mesa almoçando e logo ao meu lado tinha uma mãe e filha discutindo sobre se a filha iria ou não para a nova escola. A mãe queria ir para um lugar e a filha, para outro. A filha, muito chateada com a mãe, ficou indignada, e a mãe, tranquila e segura de que nada a faria desistir do que ela queria, continuava tomando seu suco de maracujá. A filha falava para a mãe, e ela nem ligava. No final do seu suco, a mãe deu o último gole, fazendo aquele barulho característico, sim, aquele barulho que dá para ouvir e chama muita atenção. uz uzz uzzz. A filha disse para a mãe: "Meu Deus, você está me irritando com esse barulho." A mãe respondeu: "Olha, o barulho não está te afetando. Quem está irritada é você, e quem quer ficar irritada com o barulho é você. Então, você fica irritada porque você quer."


Minha vida ultimamente tem mudado muito com essa visão de tentar me policiar ao máximo para não cair em tentação. Vejo as pessoas tendo muitas atitudes horríveis, jeitos de cozinhar, de comer, de acordar, de sair da cama pulando ou não. Muitos jeitos que, se fosse o "dago" de antigamente, não estariam aqui hoje. Pessoas que não lavam direito, pessoas que não fazem coisas que para mim não são bacanas, pessoas que jogam lixo reciclável no lugar errado.


Hoje tento ser alguém que reclama pouco, ou nada. Faço o máximo para não reclamar e melhorar. Vejo que estou me tornando uma pessoa melhor para mim e não desperdiçando minhas energias com coisas que não fazem sentido para mim.


Hoje faço diferente. Estou em busca de fazer mais e reclamar menos. Quando vejo algo errado, peço licença para dar minha opinião, quando vejo uma abertura.


Se vejo panelas sujas, vou lá e limpo, não procuro o dono. Se vejo algo que para mim está ruim, vou lá e faço. Minha evolução nesse ponto tem sido muito boa. Às vezes, agindo assim, posso desagradar algumas pessoas, mas para mim é uma grande evolução e acabo não me estressando com algumas coisas.


Um caso que vem acontecendo ultimamente no meu voluntariado é que outro voluntário se irrita com muitas coisas fúteis. É muito engraçado como ele vê as coisas. Por exemplo, temos no quarto luzes individuais que ficam em cada cama, para serem ligadas quando quiser, para não deixar a luz do quarto acesa. Mas ele se incomoda com elas ligadas, ao contrário dos hóspedes. Ele reclama por causa de uma luz ligada, de uma porta mal fechada. Sempre está reclamando de tudo.


Quando se vê esse tipo de atitude, observa-se que nunca faria isso. Por que me estressaria por causa de uma porta ou uma luz? Minha sanidade é mais importante.

Claro, não sou de ferro. Me irrito. Já me acordaram à noite com barulhos altos, pessoas falando alto, fumaça de cigarro, pessoas usando drogas, pessoas insuportáveis. Mas faço o meu máximo para contar até três, acalmar-me ou sair do local. Porque, na realidade, se reclamasse de tudo o que vejo, passaria toda essa minha viagem reclamando das pessoas. Mas não é isso que quero. Minha vinda para cá não é para isso. Meu objetivo é outro. Quero evoluir, quero ter outro olhar para essas questões.


Tenho enfrentado também muitas ideologias muito diferentes das que eu penso: religião, políticas e muito mais. Isso também é um teste para ver o quão bom é ouvir o outro lado, entender a visão do outro, mas sempre com respeito acima de tudo. Com certeza, quando há respeito, conseguimos evoluir para uma boa conversa. Nisso, também tento me controlar para não ficar chateado ou exausto, especialmente considerando onde estou hoje, onde as contradições são muito grandes. Faço o possível para não ultrapassar o limite e não forçar a situação.


Certo dia, estava em Salvador e na barbearia tive o prazer de conhecer algumas pessoas que tinham uma visão totalmente diferente da minha. Tive a oportunidade de expor minha visão, mas também já vi pessoas ao meu lado discutindo acaloradamente sobre política, e no final, cada um saiu magoado. Isso não é saudável. Se policiar também nesse aspecto é muito importante, afinal, nem tudo o que você pensa é algo que a outra pessoa também seja obrigada a pensar.


Agradeço a Deus pela sabedoria e paciência que Ele me deu. Sou eternamente grato por isso. Preciso muito disso para os dias que tenho passado.


Aqui é realmente a vida real, como é no meu dia a dia.

Resumindo, tudo que não gosto em você, eu corrijo em mim.



1 Comment

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
Guest
Aug 05, 2023
Rated 5 out of 5 stars.

Viver bem, reclamado menos e fazendo mais.

Like
bottom of page